quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Interessa-me a saúde mental dos portugueses




DOS ARTIGOS MAIS LÚCIDOS, MAIS REALISTAS E TAMBÉM MAIS DRAMÁTICOS QUE TENHO LIDO SOBRE A ATUALIDADE DO NOSSO PAÍS E DA ESMAGADORA MAIORIA DAS NOSSAS FAMÍLIAS!
CUSTA LÊ-LO, SIM. CUSTA MUITO.

Alguns dedicam-se obsessivamente aos números e às estatísticas esquecendo que a sociedade é feita de pessoas.

Recentemente, ficámos a saber, através do primeiro estudo epidemiológico nacional de Saúde Mental, que Portugal é o país da Europa com a maior prevalência de doenças mentais na população. No último ano, um em cada cinco portugueses sofreu de uma doença psiquiátrica (23%) e quase metade (43%) já teve uma destas perturbações durante a vida. 
Interessa-me a saúde mental dos portugueses porque assisto com impotência a uma sociedade perturbada e doente em que violência, urdida nos jogos e na televisão, faz parte da ração diária das crianças e adolescentes. Neste redil de insanidade, vejo jovens infantilizados incapazes de construírem um projecto de vida, escravos dos seus insaciáveis desejos e adulados por pais que satisfazem todos os seus caprichos, expiando uma culpa muitas vezes imaginária. Na escola, estes jovens adquiriram um estatuto de semideus, pois todos terão de fazer um esforço sobrenatural para lhes imprimirem a vontade de adquirir conhecimentos, ainda que estes não o desejem. É natural que assim seja, dado que a actual sociedade os inebria de direitos, criando-lhes a ilusão absurda de que podem ser mestres de si próprios.
Interessa-me a saúde mental dos portugueses porque, nos últimos quinze anos, o divórcio quintuplicou, alcançando 60 divórcios por cada 100 casamentos (dados de 2008). As crises conjugais são também um reflexo das crises sociais.
Se não houver vínculos estáveis entre seres humanos não existe uma sociedade forte, capaz de criar empresas sólidas e fomentar a prosperidade.
Enquanto o legislador se entretém maquinalmente a produzir leis que entronizam o divórcio sem culpa, deparo-me com mulheres compungidas, reféns do estado de alma dos ex-cônjuges para lhes garantirem o pagamento da miserável pensão de alimentos.
Interessa-me a saúde mental dos portugueses porque se torna cada vez mais difícil, para quem tem filhos, conciliar o trabalho e a família.
Nas empresas, os directores insanos consideram que a presença prolongada no trabalho é sinónimo de maior compromisso e produtividade. Portanto é fácil perceber que, para quem perde cerca de três horas nas deslocações diárias entre o trabalho, a escola e a casa, seja difícil ter tempo para os filhos. Recordo o rosto de uma mãe marejado de lágrimas e com o coração dilacerado por andar tão cansada que quase se tornou impossível brincar com o seu filho de três anos.
Interessa-me a saúde mental dos portugueses porque a taxa de desemprego em Portugal afecta mais de meio milhão de cidadãos. Tenho presenciado muitos casos de homens e mulheres que, humilhados pela falta de trabalho, se sentem rendidos e impotentes perante a maldição da pobreza. Observo as suas mãos, calejadas pelo trabalho manual, tornadas inúteis, segurando um papel encardido da Segurança Social.
Interessa-me a saúde mental dos portugueses porque é difícil aceitar que alguém sobreviva dignamente com pouco mais de 600 euros por mês, enquanto outros, sem mérito e trabalho, se dedicam impunemente à actividade da pilhagem do erário público.
Fito com assombro e complacência os olhos de revolta daqueles que estão cansados de escutar repetidamente que é necessário fazer mais sacrifícios quando já há muito foram dizimados pela praga da miséria.
Finalmente, interessa-me a saúde mental de alguns portugueses com responsabilidades governativas porque se dedicam obsessivamente aos números e às estatísticas esquecendo que a sociedade é feita de pessoas.
Entretanto, com a sua displicência e inépcia, construíram um mecanismo oleado que vai inexoravelmente triturando as mentes sãs de um povo, criando condições sociais que favorecem uma decadência neuronal colectiva, multiplicando, deste modo, as doenças mentais.
E hesito em prescrever antidepressivos e ansiolíticos a quem tem o estômago vazio e a cabeça cheia de promessas de uma justiça que se há-de concretizar; e luto contra o demónio do desespero, mas sinto uma inquietação culposa diante destes rostos que me visitam diariamente.

Pedro Afonso, médico psiquiatra, in Público




Vamos acabar com as touradas em 2013



 Vamos acabar com as touradas em 2013?

Inquieta-me viver num país em que as touradas, e tudo o que de profundamente repugnante e desumano a elas está associado, são um tema ainda visto com relativa neutralidade por grande parte da população. Uns são claramente contra, outros tentam justificar a sua continuidade, ignorando a questão principal - o sofrimento causado nos animais -, mas a maioria mantém-se neutra e equidistante. No meio da polaridade fica a indiferença, a maior aliada da crueldade e a pior inimiga da humanidade.

Essa maioria, que opta convenientemente por viver de olhos fechados, permite que uma minoria perpetue a barbárie nas praças espalhadas por este país fora. A maioria indiferente, a do "tanto me faz" e do "é-me igual", acaba por dar luz verde a que milhões de euros sejam anualmente gastos pelo Estado, dinheiro de todos nós, promovendo e patrocinando o sofrimento de animais, através do financiamento da tauromaquia. Actividade que alguns, estranhamente, apelidam de "arte" (!). "Cerca de 16 milhões de euros em fundos comunitários, públicos e, sobretudo, locais, é o valor estimado de apoios às atividades taurinas."

Inês Real, responsável pelo movimento de cidadãos "Fim dos Dinheiros Públicos para as Touradas", vencedor da segunda edição de "O Meu Movimento" no Portal do Governo (o vencedor do ano passado foi o movimento "pela abolição das touradas), manifestou o repúdio pelo dinheiro gasto e teve oportunidade de dizer ontem ao primeiro-ministro que "a tauromaquia é uma actividade vegetativa que não gera riqueza e é incapaz de subsistir por si própria. Não faz sentido que continue a ser beneficiada uma minoria e meia dúzia de famílias em detrimento de outras áreas carenciadas como a educação ou a saúde".

É, de facto, uma vergonha o massacre de animais em praça pública para gáudio e regozijo de meia dúzia. E os milhões não me impressionam. A questão não é só essa. Um cêntimo que fosse gasto em touradas continuaria a ser errado. Os tempos mudam e os maus hábitos deviam perder-se. Por exemplo, a mutilação genital feminina, em alguns países africanos, é (ainda) hoje uma realidade. As tradições não justificam tudo. Imputar um sofrimento brutal, excruciante, a animais que, infelizmente neste país, não estão devidamente protegidos pela lei não pode, nem deve, continuar. O fim das touradas é um sinal de avanço da civilização, basta olhar para os poucos países que mantém esta actividade... É um acto de inteligência e de humanidade.



Tiago Mesquita, in Expresso, 20 de fevereiro de 2013

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Já não há pachorra!

Foi uma "lufada de ar fresco", diz o deputado João Semedo, referindo-se à música "Grândola Vila Morena" cantada nas galerias da Assembleia da República, ontem, 15 de fevereiro.

No confronto com o primeiro-ministro, João Semedo questionava  Passos Coelho, no sentido de saber se vai devolver os subsídios de desemprego e se finalmente "vai dizer onde vai cortar os 4 mil milhões de euros".
Pouca vergonha, digo eu.

Este primeiro ministro, este governo, a maioria da Assembleia da República, tem-se preocupado é com a troika e não com o país!

Sempre e cada vez mais de forma acrítica, vil, democraticamente inadmissível e judicialmente penalizável.
Sim, o que lhes tem importado é o que a troika diz seja sobre que assunto for ou como for e o que a troika manda, mesmo com o país à beira do abismo social e, não se admirem, de uma guerra civil, tal a promiscuidade política, económica e financeira que alastra por todo o lado e a podridão das instituições democráticas infestadas de corruptos, ladrões institucionalizados com o beneplácito do governo e Presidente da República que, de assalto, tomaram o nosso país e a sua direção, desde a mais pequena secretaria de estado até aos "servidores leais da coisa pública" que a prometeram respeitar.

Cambada de hipócritas! Medíocres!
Cambada de vendilhões! Déspotas! Lambe-botas! Carreiristas!

A maioria dos deputados também há muito que envergonha aquela casa, uma casa que devia ser o exemplo de cidadania e de democracia.

O governo já passou os limites da decência e da sensatez, se é que alguma vez a teve.

O que merece este PM que, com acrobacias verbais mas rascas e sorrisinhos prenhes de sarcasmo, vai tratando de forma grosseira os trabalhadores deste país, os trabalhadores pobres, claro, e os desempregados e famintos, ofendendo-os e roubando-lhes diariamente os mais elementares direitos humanos que a 25 de abril conquistaram?

Já não há pachorra!




 

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

A ordem criminosa do mundo

Excelente, como excelentes são todas as intervenções e reflexões de E. Galeano.
Mais um trabalho da TVE a não perder.
Um olhar sobre o Mundo, sobre a realidade, com os olhos de quem vê e dolorosamente sente que o mundo é cada vez mais cruel!
Quanta desumanidade! Quanta injustiça!Quanto cinismo e hipocrisia nas Relações Internacionais!


 

VOTAREMOS APENAS EM CANDIDATOS QUE NÃO ESTEJAM COMPROMETIDOS COM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA

VOTAREMOS APENAS EM CANDIDATOS QUE NÃO ESTEJAM COMPROMETIDOS COM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA Proponho-me a reproduzir aqui o precio...