segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Isaltino Morais & Cª




Já agora...


LEITORES CORRUPTOS
É corrupto… mas é nosso.
Rouba… mas faz obra.
Esta são algumas das frases clássicas pensadas, ou mesmo ditas em voz alta pelos eleitores de Oeiras, os tais que são os mais letrados, onde há o maior número de licenciados, gente mais jovem, etc., etc.
Não são apenas isso! São também analfabetos políticos e corruptos, sim!, corruptos, pois vendem a honestidade e a seriedade por uma qualquer e hipotética vantagem pessoal.
São pobres seres já apodrecidos intelectualmente, que acham que os princípios são apenas um mito defendido por sonhadores.
Pessoas que desistiram de lutar por eleger gente que faça obra sem roubar, ou que não se corrompa. 
Pessoas que pelo menos naquilo que mais enobrece o ser humano, deixaram de ser pessoas.
Pessoas que se pudessem, utilizando uma imagem de um humorista conhecido… teriam seguros que só cobririam os riscos da sua família… e deixaram de se interessar pela comunidade.
São pobres indigentes políticos para quem roubar e ser corrupto equivale a ser esperto… e vale o mesmo (ou até mais!) que ser honesto e íntegro.
São pobres seres que, numa boa percentagem… já nem conseguem distinguir a diferença entre bem e mal e já só conseguem ler e entender o seu saldo bancário.

Samuel Quedas.

País e democracia à rasca!



O país à rasca... à rasca continua!
Não há democracia sem cultura cívico-democrática, viva, atuante, exigente...
Não há democracia que sobreviva com um povo que elege e promove corruptos, criminosos, ladrões, cadastrados... Não há Estado de Direito que sobreviva a tanta sacanagem!

Nazaré Oliveira

terça-feira, 19 de setembro de 2017

VOTAREMOS APENAS EM CANDIDATOS QUE NÃO ESTEJAM COMPROMETIDOS COM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA



VOTAREMOS APENAS EM CANDIDATOS QUE NÃO ESTEJAM COMPROMETIDOS COM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA

Proponho-me a reproduzir aqui o precioso  testemunho de uma ribatejana, publicado no Facebook, que não se identifica com a barbárie que caracteriza o Ribatejo.
Estas eleições autárquicas poderão servir para penalizar todos os candidatos que, à direita e à esquerda, por todo o país, apoiam a selvajaria tauromáquica, que tortura e mata animais não humanos e tira a vida e estropia animais humanos…
 E nenhum destes candidatos merece o nosso voto…


«Aprendi a rejeitar as touradas, por uma questão de classe. Os donos dos touros eram sempre, nas minhas certezas juvenis, os latifundiários. Os mesmos que iam para a Praça do Mercado escolher os trabalhadores agrícolas para trabalhar à jorna, recusar dar trabalho a trabalhadores agrícolas, ou chamar a GNR para os reprimir.

Os toureiros eram deles. Os forcados eram os filhos dos capatazes das suas terras. Os que ambicionavam ser deles.

Possivelmente com alguma análise mais adulta, a equação não seria assim tão linear... mas ainda faltava muito para análises adultas.

Só com o tempo, juntei à questão da barricada, o marialvismo reaccionário, a barbárie do espectáculo, o sofrimento infringido aos animais, a desumanidade de ir para as bancadas vibrar com o sofrimento e aplaudir o sangue.

Por isso tudo, sou claramente a favor do fim das touradas. Por isso tudo, e voltando, de relance, às autárquicas, seria incapaz de votar num candidato ou num programa que as protegesse, impulsionasse, sequer, acriticamente, aceitasse.

Morreram dois jovens em pouco mais de uma semana, em arenas de Praças de Touros em Portugal. A morte é sempre uma tragédia. Os acidentes têm sempre responsáveis e culpados.

Estes acidentes são fruto de uma "tradição" bárbara e sem nenhum sentido, que massacra animais e mata homens.

À Esquerda devia ser uma linha vermelha intransponível, mantê-la ou apoiá-la.»


Texto de Isabel Faria publicado pela Isabel Ferreira in http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/votaremos-apenas-em-candidatos-que-nao-743313

Fonte: