terça-feira, 1 de maio de 2012

Se a Igreja Católica quisesse


Quando acabei de ler esta entrevista de Dom ManuelMartins, pensei:

Oh, se a Igreja Católica quisesse!

Se a Igreja Católica fosse mais atuante junto das instituições políticas e dos políticos, se a Igreja Católica fizesse das suas Igrejas lugares e locais de reflexão também sobre a importância da cidadania, sobre a importância da intervenção cívica e política dos seus fiéis, se fizesse das homilias verdadeiras análises do estado de calamidade social a que se chegou no nosso país e no Mundo, quer em matéria de direitos e liberdades constitucionalmente e legitimamente adquiridos quer em matéria de usurpação escandalosa do Poder por parte dos que se acham donos e senhores de tudo e todos, hábil e cobardemente “protegidos” nos votos que, ingenuamente, alguém lhes confiou, escandalosamente acomodados em respostas patéticas de patética justificação para uma pobreza que aumenta e uma fome que se agiganta…… 

Oh, se a Igreja Católica de hoje quisesse ter um papel decisivo no combate contra a corrupção, contra os maus políticos, o enriquecimento ilícito, o fosso cada vez maior entre ricos e pobres, a exclusão social, os roubos institucionalizados, o saque legislado, os crimes sem castigo… se quisesse, fazia-o como fez Jesus Cristo, desassombradamente, “do cimo dos telhados”, contra tudo e contra todos, porque a luta pela dignidade não tem preço e porque há limites para os sacrifícios que se pedem aos de sempre.

Nas homilias, raros são os que, com inteligência, sensibilidade, peito e coração aberto, interpretam o Evangelho à luz do nosso tempo e se abrem criticamente aos problemas refletindo com a assembleia ou levando-a a refletir. A refletir e a agir. Falam de lugares-comuns, repetem as coisas do costume e perdem-se numa ladainha já gasta de fórmulas e fórmulas milenares de milenar desgaste que a nada levará se consciência da realidade e dos problemas não tiverem.

Mas nem todos são assim, felizmente.

Eu gostava de uma Igreja Católica que não se apropriasse de Jesus Cristo para viver mas que O vivesse e Dele o exemplo seguisse.

Toureiros & afins

Grande verdade!