domingo, 18 de março de 2012

A Internet = arma contra as ditaduras

 



A Internet, hoje em dia, é a melhor arma contra as ditaduras e um dos meios mais rápidos e mais eficazes para o exercício de uma cidadania ativa!

Sem dúvida, se tivermos em conta, por exemplo, o passado recente da já considerada Primavera Árabe, particularmente, dos movimentos espontâneos de rua, com milhares e milhares de cidadãos, muitos e muitos jovens a aderirem à mobilização e às convocatórias feitas pela Internet e que, indiscutivelmente, têm abalado o mundo de hoje e continuarão a abalar, em defesa da democracia e dos valores da liberdade e da justiça social.

Têm derrubado os ditadores e os seus acólitos, as suas políticas repressivas e despóticas e têm, embora com muita dificuldade, restituído alguma dignidade aos povos que há muito clamavam contra regimes autocráticos que do povo sempre se serviram mas que ao povo jamais serviriam.

E essa onda vinda da Net teve uma grande visibilidade, sobretudo, dese a Praça Tahir, o Egito, sendo até agora imparável e indiscutíveis os seus efeitos, quer no Médio Oriente quer mesmo na Europa.
E isso é fantástico!

Em segundos, contatamos com dezenas, centenas, milhares, convocamos amigos, amigos de amigos, divulgamos notícias, alertas, passamos informação e pedimos colaboração, enviamos imagens, entrevistas, vídeos, no Facebook, blogues, por e-mails... É fantástico o papel da Internet na defesa dos Direitos Humanos e até na Defesa dos Direitos dos Não Humanos (os nossos amigos animais).

À distância de um click, falamos uns com os outros, pedimos ajuda, abrimo-nos ao Mundo e dele sabemos muito mais e muito mais depressa o sabemos.

Não há desculpa para não se saber que todos estamos, agora, muito mais perto de ser atores da mudança que há muito clamamos.

Não há desculpa para se dizer que não se sabia aquilo que, simplesmente, não se quis saber ou não se quis ver ou ouvir, ou, até, que se fingiu não ter sido visto quando afinal visto foi.

Não há desculpa para a nossa inação nem para a nossa acomodação quando o que está em causa é a manutenção de governos com ditadores, corruptos, ladrões … leis e gente sem o mínimo de respeito por nada nem ninguém.

Um relatório dos Repórteres sem Fronteiras referia que o papel da Internet na luta contra os regimes não democráticos crescera em 2011 mas que também haviam crescido as tentativas de controlar a mesma, obviamente, por parte dos governos contestados, que não se inibem, agora, de tomar medidas ainda mais repressivas para combater os cibernautas que conseguem apanhar. Há casos de perseguições ferozes, mortos, prisões e até o estabelecimento de ciber-censura nesses países!

O número de presos aumentou 30% em relação a 2010, sendo que 120 dos detidos, considerados «ciber-dissidentes», continuam presos.

Mas nem só as ditaduras estão debaixo de fogo neste relatório. Também os países ditos democráticos não ficam bem na fotografia, devido, principalmente, às medidas tomadas para proteger os direitos de autor, que são consideradas «desproporcionadas».
Como países inimigos da Internet contam-se a Arábia Saudita, Bahrein, Bielorrússia, Birmânia, Coreia do Norte, Cuba, Irão, Uzbequistão, Síria, Turquemenistão e Vietname.

E muitos mais, certamente, se acrescentarão, porque o papel da Net neste combate urgente e imparável contra estes ditadores continuará a ser cada vez mais preciso.

E nós continuaremos a ter de travá-lo, não é verdade?

Sob vigilância, e em vias de entrar para esta lista, estão, segundo os Repórteres sem Fronteiras, vários países, entre eles alguns dos considerados mais democráticos do Mundo, como a Austrália e a França. Desta lista fazem ainda parte a Coreia do Sul, os Emiratos Árabes Unidos, o Egipto, a Eritreia, a Malásia, a Rússia, o Sri Lanka, a Turquia, a Índia e o Cazaquistão.

Não há desculpa para o que desculpa nunca terá: a cumplicidade com os usurpadores do poder e para com a barbárie.

Nazaré Oliveira

Toureiros & afins

Grande verdade!