sexta-feira, 1 de julho de 2016

BREXIT: erro de perspetiva



As consequências para o Reino Unido e para a Europa do resultado do referendo de ontem estão ainda, em boa parte, por aferir. Só agora, frente à realidade dos números da vitória do Brexit, foi possível começar, com alguma dose de realismo, a pensar cenários que não sejam hipotéticos mas sim plausíveis. Alguns são assustadores para o próprio Reino Unido, com prejuízos de valor astronómico associados à queda abrupta da libra, uma revisão desfavorável de muitos negócios iniciados e a quase inevitável secessão política da Escócia, agora decidida a emancipar-se mesmo da tutela de Londres. Na Irlanda do Norte, algo também está já a mover-se.
O mais preocupante é, porém, o facto de esta decisão ter ficado a dever-se a escolhas negativas, como a rejeição da imigração e do apoio aos refugiados, uma xenofobia declarada e um total desinteresse por relações de colaboração e solidariedade com os outros povos europeus. Como se sabe, foram a direita e a extrema-direita britânicas que deram argumentos e meios ao Brexit, sendo aos seus congéneres europeus - franceses, holandeses, suecos e outros - que esta escolha entusiasmou, estando já a apresentá-la nos seus países como exemplo a seguir. Mais a leste, na Turquia, o próprio Erdogan, na sua deriva antieuropeia e autoritária, prepara-se para questionar o processo de adesão do seu país à UE.
Aquilo que não pode deixar de incomodar é existir quem, no espectro político da esquerda, onde de há muito se tem desenvolvido uma legítima resistência ao modelo de Europa que temos, não se importe de andar nesta companhia e neste particular partilhe escolhas, quase festejando o resultado. Questionar o atual modelo europeu é totalmente justo. Penso mesmo que é necessário e inevitável. Mas não à boleia de gente tão detestável e com propostas tão negras. Uma vez mais, a História deveria servir-nos de lição, inibindo-nos de acalentar o ovo da serpente por julgá-lo inofensivo.


Rui Bebiano 

(na sua pg do Facebook)


Sr. Bruno Carvalho, tenha vergonha!

Já não há pachorra para aturar este indivíduo!  Um indivíduo tão malcriadamente desafiador do bom senso, tão arrogantemente agar...