domingo, 6 de maio de 2012

Mãe todos os dias

Um poema de Manuel Bandeira que musiquei e cantei tantas vezes para o meu filho, quando o embalava, serena e docemente, com amor, muito amor.
Amor para sempre. Todos os dias.

Dorme, meu filhinho,
Dorme sossegado.
Dorme, que a teu lado
Cantarei baixinho.
O dia não tarda...
Vai amanhecer:
Como é frio o ar!
O anjinho da guarda
Que o Senhor te deu,
Pode adormecer,
Pode descansar,
Que te guardo eu.


Maternidade (quadro de Pablo Picasso)


Toureiros & afins

Grande verdade!