quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Natal de Pacheco Pereira

Só agora tive oportunidade de ler este texto.
Concordo, Pacheco Pereira!
É verdade, Pacheco Pereira!


Quem tiver a paciência para ler estas palavras está a passar o seu dia do Natal e sabe de mais sobre a nossa colectiva desgraça. O Natal é, no conjunto do ano, um momento único que nenhuma outra festa ou feriado reproduz nem de perto nem de longe. Costuma dizer-se que é uma festa da família, mas é muito mais do que isso. É um momento em que, numa sociedade egoísta e fechada sobre si própria, há um simulacro de alguma sociabilidade mais colectiva. Eu disse simulacro, porque é cada vez mais simulacro, convenção, hábito sem sentido, mas, mesmo simulacro, ainda tem um vago traço de um momento em que há amigos, vizinhos, parentes que não se vêem há algum tempo, unidos pela "estação". A tradição já não é o que era, mas ainda é tradição.

Os votos de bom Natal, e, por junto, de ano novo, circulam cada vez mais às centenas entre pessoas e aos milhões em email e SMS, e cada vez menos em papel. Também aqui a preguiça induzida pelas novas tecnologias ajuda à erosão das relações sociais, mantendo-as e até ampliando-as na quantidade, mas diminuindo-as em valor. Os votos de boas festas por email ou SMS são feitos a listas e não a pessoas, listas aliás nem sempre bem mantidas, com endereços repetidos e antigos, mandados como se fosse um robot a mandar, sem qualquer pessoalidade. É como os "amigos" do Facebook, listas e enumerações sem significado afectivo, apenas com valor social, mostrando como o "eu" electrónico que os manda é tão popular que colecciona centenas e mesmo milhares de relações.

As famílias também não são a coisa idílica que o "espírito de Natal" enaltece, e têm inscrita não só solidariedade e protecção, como um "ninho", mas também muita violência às claras e muito particularmente às escuras. Violência entre homens e mulheres, pais e filhos, parentes amados e odiados, questões e questiúnculas, transmitidas com segredo e raiva os restantes dias do ano. Por isso, o Natal não só fornece o conforto e a intimidade de um "lar" comum e um destino partilhado, coisas que não são de pequena monta, mas exacerba muitos comportamentos de depressão e animosidade, que não tem muita imprensa e apenas alguma literatura, mas que todos sabem que existe.

Digo isto para referir que o Natal potencia tudo, muita coisa boa e muita coisa má. Por isso, o pano de fundo do Natal é contraditório como todas as coisas são na vida, e quando a vida se encarrega lá fora de piorar, entra cá dentro puxando pelo pior e pelo melhor de nós. Digo este truísmo porque temos tendência para apenas ver o melhor, nas sucessivas reportagens de solidariedade natalícia, em que a sociedade parece responder às dores dos que mais necessidade e menos protecção têm. E é verdade que isso acontece, mas daí a dizer que os portugueses são um povo especialmente solidário não corresponde à verdade. Não somos, nem fomos, nem provavelmente vamos ser.
Este Natal será triste. Não sei que melhor qualificativo haverá para este momento da nossa vida colectiva. Não digo indignado, embora muita gente esteja indignada. Não digo desesperado, embora muita gente esteja desesperada. Não digo apático, embora muita gente esteja apática. Não digo deprimido, embora muita gente esteja deprimida. Não digo zangado, embora muita gente esteja zangada. Digo triste, porque mais ou menos, vaga ou profunda tristeza, todos sabem que a vida vai piorar, e que não existe esperança no futuro próximo, que é o que temos possibilidade de vir a viver.

A tristeza não é fruto de momentâneas dificuldades, mas da suspeita de que essa dificuldade não tem fim à vista. Quando saímos disto? A melhor resposta é mesmo "não se sabe". Não será certamente nem 2012, nem 2013, nem 2014, nem 2015, datas anunciadas em diversos momentos e em diversas circunstâncias por governantes, economistas, e políticos em geral. O que significa que as pessoas, que têm uma intuição aguçada para estas coisas, olhando para a frente vêem que não há frente. Mesmo que dure apenas cinco anos, o que duvido, para muita gente significa que o fim da sua vida, a reforma, a doença, o declínio físico, vão ser muito piores, a solidão e a dependência ainda maiores. Para quem é mais novo, um mundo com emprego e com a possibilidade de "construir" o seu espaço próprio não existe. Podem emigrar, bem sei, mas também sei quão traumática é essa decisão, que não é mais fácil do que viver cá na precariedade. No "meio do caminho da nossa vida", cada vez mais pessoas sentem-se a perder a escassa qualidade de vida que tinham conseguido, por mérito, ou por dívida, e que agora sabem que não vão conseguir pagar. Tudo é mau, para milhões de portugueses, operários, trabalhadores, empregados, funcionários, pequenos empresários, mesmo uma pequena e média burguesia frágil e recente vai empobrecer.

Entre o Natal e o ano novo muitas decisões vão ser tomadas por pessoas e famílias. Não são decisões daquelas a que associamos o ano novo: ano novo, vida nova. É mesmo vida nova, mas não é uma vida escolhida, é uma vida nova forçada. Tirar o filho do infantário. Dizer à filha que já não vai poder ir para a universidade ou o politécnico, porque não há dinheiro para a manter em Santarém, Covilhã ou Aveiro. Aguentar mais um ano com o mesmo carro a cair, por muito que custe perder a oportunidade de comprar outro antes dos impostos aumentarem. Despedir um velho empregado, fechar a mercearia que já era do pai, e entregar tudo ao fisco que já de há muito tem uma execução em curso. Entregar a casa ao banco e vê-la numa lista de leilões do fisco no Correio da Manhã por menos dinheiro do que o valor do empréstimo. Voltar para casa dos pais. Penhorar a jóia que era da avó ou vender a volta da filha numa loja que compra ouro. Aceitar o mesmo trabalho com metade do salário. Dizer que sim aos expedientes do patrão que despede e depois reemprega de seis em seis meses para não pagar obrigações de segurança social. Engolir a consciência sindical, e portar-se bem no emprego, não vá o chefe notar. Deixar de ter ajuda no trabalho doméstico. Fazer qualquer coisa, colares, artesanato, compotas, para ir vender na feira que agora a autarquia organiza na rua uma vez por semana. Desistir de fazer qualquer coisa, colares, artesanato, compotas, porque não se vende nada e fica caro comprar os materiais e as compotas estragam-se. Ver que remédio se pode cortar para diminuir a conta da farmácia. Deixar de pagar a renda, deixar de pagar a electricidade, o gás, a creche. Deixar de pagar aos fornecedores. Deixar de pagar o condomínio, que deixou de ter dinheiro para pagar a manutenção dos elevadores. Subir três, quatro, cinco, seis andares da escada com as compras porque o elevador está avariado. Deixar ficar o vidro partido na janela. Matar-se. Emigrar. Desistir. Resistir.

São estas as decisões deste Natal, de um Natal triste. Há uns imbecis nos blogues que acham que falar dos problemas concretos das pessoas que não são fils a papa, publicitários, gente de glamour, neoliteratos, assessores de várias eminências, yuppies sem mercados, consultores, advogados de sucesso, é neo-realismo. A única coisa que se lhes pode perdoar é não saberem o que a palavra significa, mas tudo o resto não e perdoável nem mesmo com muito "espírito de Natal".

É particularmente irritante, e socialmente perigoso, que acrescentem à miséria uma lição moral do género "têm o que merecem porque viviam acima das suas posses", todos contentes com a purga moral do país pelo empobrecimento. O empobrecimento pode ser inevitável, mas deixem de lhe atribuir qualquer valor catártico e vender como nova propaganda que, no dia em que estivermos mesmo muito pobres, vai começar a nova aurora económica, a ascensão de uma economia de sucesso, livre do Estado, competitiva e dirigida por uma "nova geração" liberal e desempoeirada.

Sim, sim, tretas. Sem mão-de-obra qualificada, com mercado interno deprimido ao limite, sem classe média, sem capacidade de poupar e com o país cheio de tretas. Sim, sim, tretas.


J. Pacheco Pereira in
http://abrupto.blogspot.com/2011/12/um-natal-triste-quem-tiver-paciencia.html

Toureiros & afins

Grande verdade!