sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Avaliação de Professores - 2011

As escolas não estão bem.

Continua a não olhar-se para os professores como a 1ª prioridade e continua a avaliação de pares por pares que, irreversivelmente, está a destruir o ambiente entre os docentes.

Até a gestão democrática nas escolas é uma miragem, desde a forma como se constituíram as comissões de avaliação para o desempenho até à continuação de lobbys cada vez mais activos em matéria de tráfico de influências, do conhecimento dos Directores, que nada fazem mas deles sabem e tudo aceitam, desde a feitura de horários até à escolha das turmas que certos professores leccionam, passando até pela escolha dos colegas com os quais querem trabalhar nos Conselhos de Turma, sem falar de alunos que integram essas mesmas turmas!

A situação agravou-se desde a implementação deste modelo de avaliação do desempenho dos professores, sobretudo, com a falta de imparcialidade e impunidade escandalosamente visíveis através dos compadrios instalados ou de situações que, porque sujeitas a pressões e chantagens diversas, vão beneficiar incompetentes, hipócritas e manipuladores.

Muitos e bons profissionais rejeitam cada vez mais este modelo, apesar do medo da estagnação na carreira e outras ameaças ter levado muitos ao pedido de aulas assistidas e ao descalabro que se viu (e vê).

Por outro lado, é cada vez mais notório o protagonismo dado pelas Direcções aos (maus) tecnocratas/burocratas -, preocupadíssimos que estão com a produção de papelada quer para uso interno e administrativo, quer mesmo para os alunos, descurada que tem sido a vertente científica e didáctica do seu trabalho no seu verdadeiro contexto.

Aliás, muitas Direcções não fazem ideia nem querem fazer, do que se passa realmente com os seus professores! Só sabem o que alguns lhes dizem, e de forma claramente tendenciosa, alheando-se de recursos interpostos por encarregados de educação ou pelos próprios colegas, num claro desrespeito pelo direito de resposta e, mais grave, desconsiderando tudo isso quando até em causa está a falta de profissionalismo de certos professores aos quais aceitaram dar “excelente”!

Chegou-se ao cúmulo de haver professores a treinar várias vezes e a repetir aulas dadas no horário normal – para serem as ditas duas aulas assistidas que o seu avaliador iria “classificar”! Avaliadores que muitas vezes trabalhavam à noite e que mal sabiam do trabalho dos seus avaliados…de dia! E andam estes professores a dar lições de moral aos seus alunos!...

Que falta de rigor e de seriedade! Que folclore para Direcções e Comissões de Avaliação do Desempenho! Duas aulas que vão determinar se o professor é Muito Bom ou Excelente!

E o resto? E o que se sabe até aí e se fingiu não saber até ao momento de avaliar?

Continuam todos estes jogos de bastidores nas escolas e estas monstruosidades, como por exemplo, professores que nunca nada de seu produziram ou de qualidade fizeram, mas que, graças à sua esperteza, facilmente iludiram os seus ingénuos avaliadores, e até os intimidaram, no sentido de terem classificações que jamais mereceriam mas que obstinadamente reivindicaram, recorrendo sistematicamente aos vazios legais que, infelizmente, na maior parte das vezes, beneficiam quem não devem, à custa de advogados feitos à sua medida.

Para se ser EXCELENTE já não interessa que se seja uma referência científica e pedagógica! Basta que, como aconteceu neste último biénio,  tenha tido uma imagem, embora falsa, de porreiraço, tenha feito umas coisitas que publicitou até à exaustão em cartazes que inundaram as salas de professores, mas que, na realidade, pouco ou nenhum interesse tiveram para os alunos e escola, sobretudo aos alunos, exaustivamente bombardeados por actividades que pela primeira vez viram aos ditos e dos quais nunca nada de interesse lhes vislumbraram, a não ser aulas rotineiras e os mesmos materiais de avaliação repetidos de ano para ano ou de escola para escola, tal a mediania e mediocridade do seu desempenho e a pouca motivação que criaram e continuarão a criar, com conhecimento dos seus encarregados de educação que, até por isso, reclamaram junto das Direcções.  

Avaliados houve, também, que não o foram na componente científica e/ou que o foram por colegas de grupos disciplinares diferentes. Avaliados que tiveram como avaliadores colegas que pouco ou nada fizeram se comparados com os que avaliaram... Avaliados com avaliadores que competiram entre si as classificações ou que, de certa maneira, sofreram ajustes de contas… Avaliados que em matéria de dedicação à escola e ao trabalho com os alunos em nada se compara com o dos seus avaliadores, estes últimos, agarrados a cargos para os quais foram propostos ou nomeados pelas Direcções, cargos que muitas vezes lhes dão a visibilidade que, de outra forma não alcançariam. 

Muitos professores foram avaliados com "excelente" por um trabalho que a escola nunca viu ou viu MUITO POUCO, grande parte dele "virtual" e baseado em cópias de colegas de outras escolas, ou até, como se veio a   saber, de trabalhos NUNCA feitos ou aplicados nas aulas!

Que falta de ética profissional!

Há maus professores a serem avaliados com Muito Bom ou Excelente  porque, simplesmente, deram com avaliadores, comissões de avaliação e Directores pouco exigentes e pouco profissionais, a fazerem de conta que nada sabiam de certos professores medíocres que nunca nada de bom fizeram, nem pela escola nem pelos alunos nem pela comunidade. E isto foi e continua a ser uma enorme desconsideração para com os verdadeiros e bons profissionais e até com os alunos e encarregados de educação que "abrem a boca de espanto" perante casos que vêm mais tarde a conhecer.

 Avaliadores, pese embora o esforço e honestidade de alguns, que na sua maioria só conheceram dos seus avaliados aquilo que eles lhes quiseram mostrar "de bom", ofuscados com a ideia de uma "liderança" ou "superioridade pedagógica" que o cargo lhes parece dar, entusiasmados com aquela sensação de "poder" que está a corromper não só as escolas como as empresas públicas, o Parlamento e  os Tribunais.

Chega-se ao cúmulo de um Director aceitar a proposta de “Excelente” para um professor ao qual aplicou um processo disciplinar!  

É justo olhar para um  professor  e fingir que foi bom professor quando na realidade nunca o foi, quer na preparação das aulas, na condução das mesmas, na elaboração de testes de avaliação, na definição de estratégias e até na hipocrisia com que pensou e levou à prática as ditas duas aulas assistidas?

Que pena os alunos e os encarregados de educação não serem chamados a intervir na avaliação de certos "excelentes"!

Muitas escolas actuais parecem escolas do fascismo e a autonomia só tem interessado para algumas coisas, sobretudo, para as Direcções escolherem/proporem quem da sua confiança fica à frente dos cargos, afectando desde logo com parcialidade e favoritismo os apoiantes que recrutam habilmente para as diversas comissões e cargos.  

E tudo continuará a piorar se  os pares continuarem a ser avaliados por pares, seja com que modalidade for, e isto sem falar dos professores-directores que há anos e anos não dão uma aula ou entram numa sala de aula, bem como, certos dirigentes sindicais!

 Pior ainda, julgam estar a ser justos nas decisões que tomam e vitimizam-se com o trabalho de gabinete, como se a realidade do trabalho em sala de aula fosse “o paraíso na terra”!  

A sociedade continua a ver muito mal a classe docente. Não admira!

Onde está a seriedade num processo que está a gerar tamanhas monstruosidades?  

Degradaram-se as relações humanas, pessoais e profissionais nas escolas e já não se consegue fingir que se está bem com tanta prepotência, incompetência e injustiça.

Já não se reconhece o trabalho dos que sempre se deram às suas escolas e aos seus alunos, DESDE A PRIMEIRA HORA, com brio e com satisfação.  

No terreno, claro!



Maria Nazaré Oliveira

Toureiros & afins

Grande verdade!