segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Linha do Tâmega, Linha do Corgo, Linha do Tua, Linha do Douro…






  






Quem como eu, desde a minha infância, fazia viagens pela Linha do Tâmega, Linha do Corgo, Linha do Tua, Linha do Douro…viagens de sonho que poucos portugueses conheceram, certamente se recorda das paisagens únicas que do comboio se viam.

De Chaves, Vidago… a Vila Real… de Vila Real até ao Porto…Que saudades!

Por montes e vales, aqui e além salpicados pelo brilho dos rios que preguiçosamente serpenteavam por entre a pedernia, eu tive o privilégio de ver e sentir o trabalho do Homem, contra a dureza da terra, o sol abrasador, pelo pão e pelo vinho, pela Vida.
Num cenário mágico de linhas ondulantes, os socalcos percorriam em espiral os declives das serras num abraço fraterno entre o céu e a terra, numa mística única que nos arrebatava e extasiava para sempre.

Eu via e sempre vi com os olhos e com o coração.

Menina curiosa, que tudo olhava, sentindo, estendia o meu olhar até ao fundo dos vales e aí me prendia, numa geometria mais-que-perfeita da Natureza, como se nada de mais belo pudesse existir ou voltar a ver.

Perdia o meu olhar no verde dos pinheiros, das urzes e das flores silvestres, tantas, à nossa passagem e ao nosso olhar, vagarosamente acompanhado pela máquina que subia, subia, seguia, seguia, puxando, puxando, carruagens felizes com gente como eu.

Numa tela colorida pelo sol quente, muito quente, e que uma pequena aragem perfumava, chegava até mim aquele aroma magnífico de pinheiros, giestas e urzes em flor, como uma saudação ou abraço.

Parar nas estações da CP ao longo destas linhas, era uma lição de História. História de Arte. História da Vida e de vidas.
E o meu olhar prendia-se cada vez mais a tudo isto, tal a beleza e a diversidade de cores, sons, cheiros e emoções!

Nesta altura, ainda pequenita, não tinha máquina fotográfica, não tinha dinheiro nem mesada, ainda não havia televisão na minha terra, não tinha bicicleta, não sabia o que significava passar férias "fora", sabia que era duro viver em Trás-os-Montes, que havia uma capital que era Lisboa, que conhecia o mar e que o mar era lindo, sim, mas era longe, na terra da avó. Sabia que os meus pais eram os meus heróis e iam continuar a sê-lo, pela luta que travavam e pelo esforço que faziam para sermos crianças felizes, ainda que para isso sentissem no corpo e na alma a dureza de um regime que lhes negou sempre uma vida sem inquietações, a paz e o sossego. Conseguiram fazer de nós  crianças deslumbradas com as maravilhas da mãe-terra, encantados que ficávamos com as coisas simples, puras, vibrando com a Natureza como quem sorve a última gota de vida, abraçando-a com os olhos e guardando-a na alma. 
Vidago, Chaves, Vila Real, Porto – as terras que me viram crescer até aos 10 anos, altura em que foi preciso sair, partir, fugir.

Mas estas imagens mantiveram-se e mantêm-se vivas. Estas paisagens, estas cores, o aroma intenso que do verde se soltava… e o vento a sussurrar aos pinheiros… o cinzento matizado do granito, o azul brilhante dos rios onde o sol poisava, sorrindo, os azulejos das estações, os comboios, a fagulha que teimosamente entrava nos olhitos, o carvão que enfarruscava o rosto… Oh, máquinas a carvão! O “Texas” e não só!

No fundo, fui uma menina com uma infância feliz.

Enchi o coração com a beleza das serras e dos montes, brinquei na rua, a cantar, saltar à corda, à bilharda, à macaca, com amiguinhos, cães, gatos, burros, cavalos, pintainhos, bois e boizinhos, sem horas, sem medos, sem fome, no riacho que a cantar me encantava e onde barcos de folhas pousava com risos e sonhos pequeninos da minha enorme alegria!

E que bom que era ir até lá, sobretudo ao fim da tarde, das tardes quentes de Verão!

Que bom que era o cheirinho a terra molhada quando as regas começavam nas hortas e, num manto de trevos e erva fresca, sentar-me para ver os sapos, as rãs, peixes cintilantes, melros, andorinhas, pardais, lagartos, lagartixas, abelhas, borboletas multicores, pequenos insectos... e vê-los livres, livres, iguais a mim.

As lavadeiras apanhavam já a roupa que corara, brilhara e secara  no cimo de pedras e arbustos!

Ao longe, na pequena ponte, passava o comboio.

Eu acenava-lhe e dizia "Até amanhã!”.


Nazaré Oliveira





Para conhecer mais:

Fotos de:

Inadmissível o que o Ministério da Educação quer continuar a fazer aos professores!

Governo quer apagar tempo de serviço O Governo, que, no âmbito do descongelamento das carreiras, irá considerar todos os anos de ser...