domingo, 23 de abril de 2017

Pena suspensa para um criminoso que enterrou viva "a sua" cadela?



Condenado a pena SUSPENSA ... POR ENTERRAR VIVA A "SUA" CADELA?
Leiam a notícia toda. Leiam.
Que se devia fazer a um tipo como este?
A forma como a tratou, doente, incapacitada, indefesa, num sofrimento terrível? Que Justiça é esta? Que monstruosidade e que monstro este que a Justiça acaba por não punir?
Pobre animal! 
Chorei ao ler esta notícia... Que te fez este criminoso, cadelinha? E com que crueldade e requintes de malvadez te tratou...
Esse criminoso é dono do restaurante Barco do Sado, na localidade da Carrasqueira. Divulguem.

Nazaré Oliveira



Um homem foi condenado a uma pena suspensa de um ano e quatro meses de prisão depois de o tribunal ter dado como provado que enterrou viva a sua cadela velha e doente. Apesar de ter sido resgatado, o animal acabou por não resistir e morreu duas semanas mais tarde. A veterinária que o tentou tratar disse nunca ter assistido a um caso tão grave.
husky encontrava-se infectada por uma doença parasitária, uma dirofilariose ou "verme do coração", em que larvas transmitidas por mosquitos se acabam por alojar nas artérias pulmonares e no coração. Trata-se de uma patologia que exige repouso e cuidados. O construtor civil de 53 anos, que se recusou a comparecer ao julgamento e foi condenado à revelia no passado dia 6 de Abril no Tribunal de Grândola, negou ao PÚBLICO ter maltratado Big, que ele e a mulher, proprietária de um restaurante na zona da Comporta, no distrito de Setúbal, criaram.

O caso remonta a Janeiro do ano passado, quando Teresa Campos, fundadora da associação local Focinhos, de defesa dos animais, recebeu uma denúncia anónima por telefone a relatar que há vários dias que se ouvia um cão a uivar nas traseiras do restaurante Barco do Sado, na localidade da Carrasqueira. Meteu-se a caminho e chamou a GNR. Já tinha anoitecido quando deu com o recinto ao ar livre vedado e com uma porta trancada bloqueada por blocos de cimento, atrás da qual estava Big, deitada numa poça de lama, praticamente sem reacção. “O animal estava prostrado sem conseguir mover-se em estado caquético de magreza extrema, em delírio e hipotérmico”, devido ao frio e à chuva, descreve a sentença. Como o dono tinha “escavado uma pequena cova e colocado lá dentro o animal com vida”, só conseguia levantar ligeiramente a cabeça.

“Uivava de dor e aflição”
“Para que o corpo ficasse preso colocou-lhe [em cima] uma grelha em ferro e um bloco de cimento”, concluiu a sentença, que acolheu quase por inteiro a acusação. Ignora-se quantos dias ali ficou sem água e sem comida, escreveu a juíza responsável pela condenação. Antes de ser resgatada “uivava de dor e aflição”.
“Parecia um trapo velho e teve de ser tosquiada por causa dos parasitas externos”, descreveu ao PÚBLICO Teresa Campos, que improvisou uma maca e a cobriu com uma manta antes de a levar para o veterinário. O dono, que apareceu entretanto, “não demonstrou qualquer preocupação” com o estado do bicho, diz também a sentença: “Afirmou que se encontrava ali porque estava à espera de o mandar abater”. Durante as duas semanas em que resistiu à morte no Hospital Veterinário da Arrábida a cadela nunca reagiu a estímulos nem se alimentou voluntariamente. Como apresentava danos neurológicos sérios e dificilmente conseguiria recuperar acabou por ter de ser abatida.

Em Portugal há todos os anos mais de 1200 animais vítimas de maus tratos, refere ainda a sentença. “Não podem defender-se sozinhos, ficando reféns dos homens e da sua crueldade. São traídos por aqueles em quem mais confiam, e ainda assim nunca deixam de ser leais”. Para o tribunal, a actuação do construtor civil para com o animal deixou patente uma deformação da própria personalidade. “Ao invés de lhe proporcionar cuidados de saúde e nutrição, tratou-o cruelmente com o claro propósito de lhe causar lesões, dor e sofrimento ao privá-la totalmente da possibilidade de se mover, de alimento, água e cuidados médicos”, determinou a juíza.
O arguido diz-se injustiçado, mas afirma que não tentará recorrer da sentença, que o obriga a pagar à fundadora da Focinhos a conta do hospital veterinário e ainda a entregar 250 euros à associação. Alega que os militares da GNR que acorreram às traseiras do restaurante inventaram um cenário que nunca existiu.

Não a levou ao veterinário por receio que a matassem

“Se há pessoa que gosta de animais sou eu. É completamente mentira que se ouvissem os uivos, porque o animal já nem ladrava. E não estava tapado com nenhuma grade de ferro. Tinha era um buraco na areia, onde se recolhia”. O homem garante também que nunca colocou os blocos de cimento em cima do animal que Teresa Campos assegura ter visto: “Isso foi inventado por gente doente da cabeça. Li o que escreveram sobre o assunto a delegada de saúde e a GNR e é completamente falso.” Questionado sobre as razões pelas quais não levou ao veterinário a cadela doente, que ele próprio refere que “já mal comia”, o construtor civil responde que temia que a abatessem sem a sua autorização. 

O tribunal proibiu-o ainda, como pena acessória, de ter animais de companhia durante três anos, o que cria um problema: com o casal moram ainda outro cão e um gato. “O gato não está registado e é do meu filho”, equaciona o arguido, antes de se enfurecer: “Isto é alguém que me quer mal. Mas nunca pensem em vir buscar este cão, que anda comigo quase 24 horas por dia. Senão… aí já mexem comigo.”


Toureiros & afins

Grande verdade!