domingo, 4 de dezembro de 2016

A China e as meninas


O que aconteceu aos 30 milhões de meninas "desaparecidas" na China?



Investigadores acham que "encontraram" os milhões de raparigas desaparecidas das estatísticasDois investigadores acreditam ter encontrado a resposta para os 30 milhões de raparigas "desaparecidas" na China. Especialistas em demografia apontam muitas vezes para o desaparecimento de 30 a 60 milhões de mulheres nas estatísticas populacionais chinesas, um buraco que se pensa ter surgido devido à política do filho único e à preferência por filhos do sexo masculino.
O recenseamento chinês de 2010, por exemplo, mostra que para cada 100 mulheres nascem 118 homens, uma proporção muito diferente do resto do mundo, em que os números são 105 para 100.Assim, práticas de aborto seletivo de meninas ou negligência no tratamento das bebés do sexo feminino são muitas vezes apontadas como as possíveis causas deste desequilíbrio. Mas dois investigadores avançam a hipótese de este buraco ser meramente formal, ou seja, de milhões de bebés do sexo feminino simplesmente não terem sido registados."A maior parte das pessoas diz que o aborto ou o infanticídio são as razões" pelas quais estas raparigas não aparecem nos censos e que elas não existem. 
"Mas nós achamos que há uma explicação política", diz John Kennedy da Universidade do Kansas, nos EUA, num artigo publicado no site da instituição.Kennedy e o colega chinês Shi Yaojiang tropeçaram nesta teoria quando faziam trabalho de campo numa província do norte da China em 1996 e conheceram um homem com um filho e duas filhas, que se referia à do meio como a "inexistente". A menina nunca tinha sido registada. Uma prática que, perceberam depois, era comum na região - as autoridades locais fechavam os olhos em troca de paz social, argumentam.
Comparando a número de bebés nascidos em 1990 com o número de homens e mulheres com 20 anos em 2010, descobriram mais quatro milhões de pessoas - e um milhão de mulheres a mais. "Se revirmos 25 anos, é possível que existam mais 25 milhões de mulheres nas estatísticas que não estavam lá no nascimento", defende Kennedy.
Só em 2015 a política do filho único foi abolida, sendo que desde os anos 80 que era permitido ter um segundo filho se o primeiro fosse uma menina.




VOTAREMOS APENAS EM CANDIDATOS QUE NÃO ESTEJAM COMPROMETIDOS COM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA

VOTAREMOS APENAS EM CANDIDATOS QUE NÃO ESTEJAM COMPROMETIDOS COM A SELVAJARIA TAUROMÁQUICA Proponho-me a reproduzir aqui o precio...