segunda-feira, 16 de julho de 2012

Mulheres martirizadas



Às vezes parece-nos um pesadelo imaginar que isto que vão ler continua a existir, em nome de tradições, culturas, religiões... Mas é verdade, sim, continuam a existir e a espalhar dor e revolta junto de mulheres, que, ainda crianças, adolescentes, são objeto de mutilação sexual, abusos continuados de toda a ordem, exploração e sevícias inimagináveis, violadas pelos maridos, proscritas tantas vezes pela comunidade e família...
Que horror de mundo, este, marcado (também) pela cultura da violência e pela insistente defesa de tradições a qualquer preço!
Felizmente que as organizações de Direitos Humanos e, particularmente, organizações de defesa das mulheres (e crianças) ganham cada vez mais mais visibilidade e a adesão de gente cada vez mais farta de religião com sofrimento e de cultura com crueldade!
Mesmo assim, a luta pela mudança de mentalidade(s) e a mentalidade em si, é uma das muitas batalhas difícil de travar na atualidade, sobretudo quando enraizada em religiões que exigem o sacrifício e a dor dos mais vulneráveis, sujeitando-os, em nome dessa mesma religião e "valores tradicionais" à pior das torturas: esvaziar de dignidade as pessoas e sujeitá-las a uma morte lenta e anunciada.
Este é um dos muitos exemplos que me chegou, desta vez, através do jornal i de hoje : Zeinabou Mint Mohamed.

Zeinabou foi excisada poucos meses depois de nascer, prometida aos cinco, noiva aos onze e forçada a um casamento combinado aos 13 anos. O seu inferno ainda não acabou.
Apesar disso Zeinabou ganhou coragem para usar a curta margem que dispõem do seu livre arbítrio: “Vivia bem, tinha um casamento rico, mas não era feliz. Eu não gosto de falar mal do meu país, algo que é sempre usado com segundas intenções, e devo mesmo dizer que a única coisa que mudaria eram os casamentos forçados” (…) “O meu casamento foi combinado pelos meus pais, no sentido de me garantirem uma vida confortável, com um marido bem colocado, mas eu só sonhava em acabar com aquele pesadelo”.
O convite de recordar a sua travessia e de a contar a um jornalista ocidental, embolava-lhe a voz e deixava o seu olhar escorregadio entre o copo de chá e a violência das suas memórias. “Tudo funciona de forma muito tradicional mas que, com aquela idade, não temos capacidade de contrariar. Certo dia o meu pai chamou-me e disse-me simplesmente: ‘Tu vais-te casar’. Uma semana depois conheci o senhor com quem o casamento estava combinado e soube que devia partir com ele para a sua cidade. Chorei, chorei, implorei ao meu pai para não me deixar ir, mas sem resultado. Ele tinha casado com a minha mãe tinha ela doze anos e, tal como eu, com uma grande diferença de idades.” Também a sua irmã mais velha havia saído de casa aos onze.
O casamento forçado é, de todas as práticas, aquela que mais é contestada, sobretudo pelas novas gerações. A origem destes comportamentos, não se circunscreve nem é resultado do Islão. A sua ancestralidade tem barbas bem mais antigas que qualquer profeta.
“Mudei de família, organizaram o casamento, e passei a ver a minha família apenas nas férias. Foi uma mudança horrível. Só pensava em voltar para casa. Sonhava, como todas as meninas de 13 anos, em casar com um príncipe por quem estivesse apaixonada”.
Zeinabou conta a sua história como se dela já não fizesse parte, narra o seu passado como se ele já não lhe pertencesse mesmo nos detalhes mais duros.
“O primeiro dia em que ele me mandou dormir com ele foi catastrófico. Não conhecia nada dos homens e o que me calhou como marido tinha quatro vezes a minha idade. Não sabia nada do que se ia passar ali. Ele veio e eu recusei-o mas ele não compreendeu. Dizia que era aquilo tinha de acontecer, que era isso que faziam as mulheres, que era o meu e o seu dever, e que se eu continuasse a recusar ele teria de chamar os amigos para me prenderem e para ele conseguir.”
A virgindade é algo fulcral no casamento tradicional. Poucos são os casamentos que se combinam sem estar implícita essa condição. Está previsto inclusive a anulação do casamento caso a mulher profane o negócio que a família celebrou com o seu marido. O uso da intimidade é tido como um abuso sem nome.
“Os seus amigos acabaram por vir, quatro deles. Agarram-me nos braços e nas pernas e ele finalmente conseguiu.” Com a excisão o desfloramento da mulher adquire contornos ainda mais violentos, uma vez que além da amputação do clitóris o sexo feminino é praticamente todo mutilado, deixando unicamente um pequeno orifício para urinar. O sexo feminino é reduzido à sua dimensão fisiológica sendo que as consequências são devastadoras quer do ponto de vista da saúde física quer do ponto de vista psicológico.
Zeinabou não considera ter sido violada na sua primeira experiência sexual, apesar de subjugada por quatro homens e tomada à força pelo marido: “Ele fez o que tinha de fazer. É assim. Eu não desejava estar ali nem passar por aquilo, tinha nojo dele, mas a verdade é que ele não tinha outra possibilidade. Era o seu dever como marido”.
Na primeira tentativa, conta, acabou por desmaiar. “Estava a sangrar muito e ele não encontrava o caminho”. Levada ao hospital para ser composta, volta a casa com um diagnóstico de infecção urinária e medicada para o efeito. “Estava com uma infecção e fiquei três dias a tomar medicamentos. Estava cheia de dores. Não me conseguia sentar e custava-me muito dormir.”
Passados poucos dias tudo se voltou a repetir, a repetir, a repetir, tantas vezes quantas fossem preciso até engravidar. Zeinabou, antes ainda de provar a adolescência, foi-se adaptando à sua função social de esposa e à sua contorcida condição de mulher. “Eu odeio-o, sinto repulsa, cada vez que me lembro dele e do que ele me fez.”
O filho nasceu quando tinha quinze anos e a partir daí conseguiu passar a rejeitá-lo, algo que se revelou mais fácil por nunca ter aceite a tradição da alimentação forçada e estar longe dos padrões de beleza que vigoram no imaginário masculino mauritano. “Eu não engordava, rejeitava a alimentação e a partir desse dia nunca mais tive de estar com ele. O meu pai já tinha tentado mas nunca conseguiram engordar-me. Eu recusava, vomitava sistematicamente. Chegaram a mandar-me para um sítio só para engordar, onde se vomitasse tentavam obrigar-me a comer tudo outra vez.”
Acabaria por continuar casada até aos dezoito anos, “altura em que ele foi apanhado a trair-me e eu pude pedir o divórcio”.
Quando assim é, é dado um período de reflexão onde a mulher deve viver em reclusão, na casa dos pais, afastada de todo e qualquer contacto social, para um e o outro ponderarem se querem mesmo levar o divórcio até ao fim. A Zeinabou não lhe custou a clausura. Era o último passo para a liberdade. “Nesse período ele mudou de ideias, voltou a oferecer o dote, mas eu não aceitei voltar para ele apesar da vontade da minha família mas eu só queria deixar aquela casa.”
O divórcio, para além de todas estas condições, implica ainda um último sacrifício. As mulheres que sejam mães de homens têm de abrir mão do seu filho. “Tive um filho com ele, que ficou com ele porque era homem e desde o divórcio que nunca mais o vi”.
Ao virar os vinte anos saiu de casa pelo seu pé e passou a viver de biscates entre Nouakchott e Dakar. “O dinheiro que o meu marido teve de pagar pelo divórcio não durou muito tempo, é uma ajuda muito pequena para começar a vida”.
Com os estudos médios praticamente acabados mas sem a conclusão do exame final, com uma formação profissional em informática e com fluência de duas línguas estrangeiras, não é fácil para Zeinabou encontrar trabalho. “Fui jornalista seis meses, onde fazia a crónica do tribunal, mas acabei por ser despedida”.
Sonha que um dia ainda voltará a casar, desta feita “com um homem pelo qual esteja apaixonada”, e conta que a mudança de mentalidades será sua aliada. “Alguns homens na Mauritânia já não ligam tanto a isso, mas mesmo assim não é fácil. Eu já estou a ficar velha e já fui casada”.
Eu sou muçulmana, não bebo álcool, só como carne halal e acho mal que os muçulmanos não sigam o Islão mas não posso ser a favor do que vivi.”

Até quando vai continuar esta morte lenta, Zeinabou Mint Mohamed? Até quando?


nazaré oliveira

Toureiros & afins

Grande verdade!